Navegação Secundária

“A diferença entre a excelência e o bom é a rapidez de execução”

“A diferença entre a excelência e o bom é a rapidez de execução”

Jorge Taveira – CEO Lena Imobiliária

Qual a descrição que faria do cenário que encontrou na área imobiliária quando abraçou o projecto?
Quando integrei o GL, nomeadamente na área Imobiliária da sua sub-holding das Construções, o cenário que encontrei era o típico do mercado das Construções/Imobiliário: focus na construção. Repare que defini o mercado como Construções/Imobiliário, em vez de mercado da Promoção e Gestão Imobiliária.
A grande diferença de um para o outro é apenas uma questão de focus. No primeiro mercado, que é o que prolifera em grande escala em Portugal, o focus está na construção, pois quem lidera estas empresas são os grandes grupos ligados à construção, sendo a parte da imobiliária apenas uma derivação do negócio. No segundo mercado, que é onde agora nós nos posicionámos, o focus está no cliente pois é para ele que queremos criar valor.

Indo ao encontro do tema desta edição, Dinâmica Comercial, pode-nos falar sobre a forma como o mercado foi estudado, a abordagem escolhida…?
No mercado da Promoção e Gestão Imobiliária esta é, talvez, das questões mais referenciadas por muitas empresas, mas muito pouco trabalhada de forma eficaz na plenitude da sua cadeia, por esses agentes do tecido empresarial. É enorme a diferença entre falar em fazer, e fazer de facto, a isto os países anglo saxónicos chamam talk and walk.
A abordagem feita foi a de criar valor pela diferenciação. A abordagem deve estar intimamente ligada ao posicionamento e este, por sua vez, ao focus, i.e., aquilo que é o core da organização. Como já deve ter reparado, nós mudámos completamente o nosso chip, passámos de uma orientação à construção, para uma orientação aos clientes. Isto dito desta forma tão directa pode provocar uma outra pergunta: então mas já não vos interessa a construção com toda as suas vertentes? Claro que interessa, contudo, nós tornámo-nos clientes dessa rubrica em regime de outsourcing, fizemos o que deve ser feito em gestão avançada, externalizámos as áreas onde não temos know-how para nos concentrarmos mais na gestão de clientes, apesar de continuarmos a fazer a construção com empresas do GL, nomeadamente com a Construtora Abrantina.
Isto é que é a mudança de chip que já referi. Cada elemento da cadeia de valor terá de controlar as suas actividades eficientemente, de forma a que o todo seja muito mais que a soma aritmética das partes e, assim, possamos acrescentar valor ao cliente final.

Qual a estratégia delineada para esta área? Qual a nova visão, missão e objectivos para o negócio da Imobiliária (2010 – 2014)?
A Administração definiu uma estratégia muito clara: sermos mais rápidos que os nossos concorrentes. Podia entrar aqui em grandes divagações de estratégia, mas se esta entrevista vier a servir de inspiração a alguns comerciais do GL, que estão entre o público-alvo deste meio de comunicação, eu tenho de ser prático e não teórico. Sou um defensor daquela máxima que diz: “a diferença entre a excelência e o bom é a rapidez de execução”. A nossa visão é a de sermos reconhecidos pelo mercado residencial e de escritórios como um player de referência.
Quanto à missão e objectivos, deixo-a alicerçada em factos aprendidos em várias empresas e que estão a ser implementados debaixo da nova visão da Imobiliária:
Em gestão de projectos só há três tipos de pessoas: os Builders (os que fazem acontecer); os Explainers (os que têm sempre explicação para tudo); e os Losers (os que não deviam estar nas Organizações). Nós na Imobiliária do GL somos definitivamente Builders. Gerimos uma vasta e complexa cadeia de valor que nem sempre está alinhada. Por isso, nós temos de definir os goals e os caminhos para lá chegar com êxito, de forma a atingirmos a aceitação pela via da negociação e não pela via da imposição.
Estamos a falar de operadores com grande experiência naquilo que fazem desde sempre, mas com pouca ou nenhuma experiência em gestão de projectos multidisciplinares.
Em vez de gerirmos esta relação via os mecanismos normais assentes na inteligência racional, nós optámos claramente por introduzir nuances de controlo assente na inteligência emocional.
Com esta abordagem, estamos a sentir os primeiros resultados de forma promissora. É possível aos nossos parceiros, fornecedores e colaboradores deixarem-se de estados de alma e de muitas opiniões pessoais (como se isso ajudasse a implementar com valor) e convergi-los de forma rápida para um só objectivo: entregar ao cliente, que é consumidor de forma indirecta dos produtos de todos os que trabalham na longa fileira, aquilo que comprou dentro do timing e com a qualidade que escolheu.
Este estilo de missão não invalida, nem evita, que a formação contínua dos colaboradores e a procura das melhores ferramentas de gestão, via softwares avançados, sejam deixadas de lado.
O que permite é um melhor output de todos, pois as motivações e as atitudes dos colaboradores, geridos por elevados padrões de inteligência emocional, são muito acima da média de outros padrões de liderança. Através de estudos empíricos está comprovado que a inteligência racional só conta 30% para o sucesso de um colaborador no mundo empresarial actual, e o resto está aonde?

Projectos mais emblemáticos da empresa, projectos em curso e projectos futuros?

Em matéria de portfolio, as “jóias da coroa” são: Kanhangulo em Angola e Barranco do Rodrigo em Portugal. Os big projects em curso são: Moncada em Angola e Santa Luzia na Madeira. Além destes, temos mais alguns pequenos projectos em Portugal que ainda estão em movimento. Em termos de futuro, temos: Kanhangulo 2º semestre 2010, Coqueiros e Alvalade em Angola em 2011 e 2012, Barranco do Rodrigo 2º semestre 2010 e Roménia 2012.

Entrevista publicada no Inforlena de Maio de 2010

Notícias

Arquivo

 

24 Junho, 2010

Projecto Santa Luzia vai ‘nascer’ ainda mais atractivo

Conslusão da obra prevista para o segundo semestre de 2011

 

17 Junho, 2010

Lena Imobiliária participa na XI Convenção Grupo Lena

Grupo Lena prevê alcançar 900€M de VN em 2010

 

3 Junho, 2010

Balanço da participação no SIMA 2010 – Salão Imobiliário de Angola

Lena Imobiliária na primeira edição do SIMA

 

10 Maio, 2010

Parceria da Lena Abrantina Imobiliária

Lena Imobiliária em parceria com a Abacus Savills